Minions

Minions é tudo de errado que existe nos filmes de Meu Malvado Favorito sem o certo que torna a equação balanceada. Dessa forma, não temos as adoráveis meninas (Margo, Edith e, claro, Agnes), nem o controverso, mas engraçado, Gru. Porém, você diria, os Minions fazem parte do lado da equação com as coisas certas. Certo? Sim, é verdade. Desde que eles fiquem limitados aos seus dois segundos de fama, mais ou menos o tempo necessário para que uma piadinha paralela envolvendo um ou mais deles ocorra. Como protagonistas de um filme inteiro, eles com certeza estão pendendo para o lado negro da força.

A história gira em torno do óbvio: os bonequinhos amarelos têm por “instinto” procurar o chefão o mal de sua época. Como eles surgiram, digamos, algumas dezenas (centenas?) de milhões de anos atrás, um dos primeiros chefões parece ter sido o T-Rex, passando daí a ser um representante dos humanos, e daí para algo mais específico até chegar a Napoleão, quando ficam perdidos no gelo e decidem regressar na década de 60, indo parar três desses amarelinhos em uma convenção de criminosos e serem contratados pela vilã mais malvada do mundo: Scarlett Overkill.

Sem conseguir unir as piadas (ruins) do filme em uma linha de narrativa que consiga definir quem é o protagonista nesta história, Minions sofre com um roteiro preguiçoso e uma direção idem. Sem Gru para salvá-los, eles passam a ser coadjuvantes de um filme sem (anti-)herói. Um triste spin-off para a série.

★★☆☆☆ Wanderley Caloni, 2015-06-27 imdb