Mulher do Pai

2017/06/13

Óbvio em sua estrutura, eficaz em suavizar o título exagerado durante toda a projeção, Mulher do Pai é um trabalho delicado e sutil, mas que apetece em sua forma didática de explorar que há ainda lugares sem internet e sem comunicação com a aldeia global que se formou, e a diretora Cristiane Oliveira está aí para explorar o amadurecimento de uma jovem nesse ambiente, com detalhes visuais em uma história onde seu pai é cego. Com o uso de símbolos gritantes (como a janela que se abre para o sol, invisível para seu pai) e diálogos pedestres, a experiência deste estudo de personagem fica mais na sua superfície embutida de regionalismo e anacronismo, possíveis apenas porque, como já disse, ainda há lugares isolados da nossa tribo internética. Ainda bem. Do contrário, filmes como esse não seriam mais possíveis de serem entendidos.

★★★☆☆ Mulher do Pai. Brazil, 2016. Direction: Cristiane Oliveira. Script: Cristiane Oliveira. Michele Frantz. Cast: Maria Galant (Nalu). Marat Descartes (Ruben). Verónica Perrotta (Rosario). Áurea Baptista (Vera). Amélia Bittencourt (Olga). Jorge Esmoris (Antonio). Fabiana Amorim (Elisa). Liane Venturella (Carmen). Diego Trinidad (Juan). Edition: Tula Anagnostopoulos. Cinematography: Heloísa Passos. Soundtrack: Arthur de Faria. Runtime: 94. Gender: Drama. Category: movies Tags: cabine

Share on: Facebook | Twitter | Google