Mulheres Divinas

Dec 3, 2017

Imagens

Mulheres Divinas está dando um tiro no pé das feministas de hoje em dia? Ao explicar o movimento social dos anos 70 o filme de Petra Volpe explica como aquelas mulheres lutavam por algo legítimo e paupável. O problema era político na época, e só existe um jeito de resolver as coisas na política: pé na porta. Hoje o problema é que caiu o leite com pera no chão e as mulheres resolverem mostrar a bunda e os peitos para irem contra a objetificação da mulher. Isso não é político. Isso se chama estupidez.

A grande virtude do filme de Petra é ser objetiva e didática. Ela pega um vilarejo na Suíça e conta uma história (ela assina o roteiro) que cria um microcosmos que explica desde as motivações mais basais do movimento feminista até a criação de um movimento político em todas suas nuances. É magistral. Uma aula de História que todos deviam ver.

Curiosamente ela usa um formato padrão de filme, com uma direção burocrática e arrastada, mas que nem por isso prejudica o conteúdo da história que ela pretende contar, que é muito boa, cheia de detalhes sutis, embora nem todos (“se eu não quiser que você trabalhe fora eu posso proibir; é a lei”).

Com uma trilha sonora charmosa (“You Don’t Own Me”) e uma direção de arte/figurino menos usados do que deveriam para as caricaturas da época (a exceção é uma reunião de mulheres esotéricas cujo deus é o órgão sexual feminino), Mulheres Divinas pode encantar até o mais ferrenho dos machistas. Até porque o filme demonstra, indiretamente, que hoje em dia as feministas possuem apenas um problema: falta de louça pra lavar.

Wanderley Caloni, 2017-12-03. Mulheres Divinas. Die göttliche Ordnung (Switzerland, 2017). Dirigido por Petra Biondina Volpe. Escrito por Petra Biondina Volpe. Com Marie Leuenberger (Nora), Maximilian Simonischek (Hans), Rachel Braunschweig (Theresa), Sibylle Brunner (Vroni), Marta Zoffoli (Graziella), Bettina Stucky (Magda), Noe Krejcí (Max), Finn Sutter (Luki), Peter Freiburghaus (Gottfried). IMDB. Texto completo próximo ou após a estreia no CinemAqui (Source).