Nanny McPhee e as Lições Mágicas

“Uma produção com um toque britânico (e atores) que consegue entreter mais pela curiosidade das próximas ações da babá mágica para controlar os sete diabinhos do desafortunado viúvo — que ainda depende de uma tia impiedosa para a sobrevivência da família — do que pela história em si, que é bobinha e previsível. O filme ainda emociona por situações naturalmente emotivas (como a decisão de escolher uma filha para entregar à tia), mas por algum motivo “mágico”, consegue caminhar até sua conclusão pelo menos ileso de apelações maiores. Talvez uma última da babá pós-créditos?” (Nanny McPhee – A Babá Encantada).

Fora os detalhes de uma direção de arte virtuosa, que consegue extrair magia até de uma fazenda infestada de esterco de todos os animais que ali vivem — e é plot para um dos raros diálogos inspirados — a história segue um ritmo morno e repetitivo, que não traz nada de novo que o longa original.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2012-09-03 imdb