Ninguém Está Olhando

2017/11/16

Nico é um ator de sucesso na Argentina que sofre desilusões amorosas e no serviço ao mesmo tempo. Com dinheiro e tempo de sobra, ele vive o grande sonho da esquerda caviar: se sentir um imigrante com poucos recursos em uma cidade rica como Nova Iorque. Que babado, hein? Fica até difícil entender como alguém consegue ficar triste nessa situação.

Mas Nico consegue. Interpretado de maneira fidedigna por Guillermo Pfening, ele é a representação de um estudo de personagem intrigante por ser tão específico, e ao mesmo tempo cercado de estereótipos que permeiam a mente dos que não estão acostumados a enxergar pessoas como seres humanos. Há a amiga de Nico, que ensina ioga para suas clientes ricas pararem de se estressar. Seu marido, o business man americano padrão, é frio e pouco amigável com Nico. Sua colega de apartamento não se preocupa muito com o bem-estar do rapaz. Mas até aí, aparentemente nem ele.

Sua rotina é servir de babá do filho de sua amiga, passeando no parque do Central Park, onde ele encontra um monte de mamães latinas ilegais e seus filhinhos. Uma criança se prende no escorregador e um inocente nova-iorquino liga para o 911. Em dez segundos. É o suficiente para esvaziar o parque. Este é um filme sobre imigração, sim. Da esquerda caviar.

Nico já é um ator de sucesso em seu país de origem, e agora, depois de um ano na geladeira, parece não ter recursos nem para viver alguns meses em um país estrangeiro. Ele está desiludido, gente. Por isso é tão tonto. E orgulhoso, mentiroso e se auto-sabota todo o tempo, evitando oportunidades a todo momento. Porque recomeçar de baixo não é para os fracos. E Nico está fraco, bem fraco.

Como bem observa a diretora/roteirista Julia Solomonoff, que filma tudo com uma câmera intimista que captura seu herói cabisbaixo em uma estética fria, com cores frias e depressivas. Até o verão em Nova Iorque parece incrivelmente frio. O filme foi filmado em três estações, dizem os créditos finais. As outras duas são inverno e outono, como você bem acertou. Mas Nico e sua bicicleta, parece, só pegam o inverno e chuva.

Nico, meu filho, acorda pra vida.

★★★★☆ Nadie nos mira. Argentina, 2017. Direction: Julia Solomonoff. Script: Christina Lazaridi. Julia Solomonoff. Cast: Guillermo Pfening (Nico). Katty Velasquez (Lena). Pascal Yen-Pfister (Pascal). Nadja Settel (Aupair). Paola Baldion (Viviana). Michael Patrick Nicholson (Doctor). Petra Costa (Petra). Mariana Anghileri (Sofía). Rafael Ferro (Martín). Edition: Pablo Barbieri Carrera. Karen Sztajnberg. Andrés Tambornino. Cinematography: Lucio Bonelli. Soundtrack: Sacha Amback. Pablo Mondragón. Runtime: 102. Ratio: 1.85 : 1. Gender: Drama. Release: 23 November 2017. Category: movies Tags: cabine

Share on: Facebook | Twitter | Google