Ninguém Pode Saber

Wanderley Caloni, May 4, 2019

Este é um filme baseado em fatos reais, mas eles se explicam tanto no começo sobre não ter certeza de como os fatos se desenrolaram que você poderia esperar um pouco mais de narrativa e dramatização em uma história com quatro crianças morando sozinhas em uma casa em Tóquio.

Mas o filme se limita a nos contar algumas coisas sobre a mãe dessas crianças (que hoje é uma das juradas do Big Brother japonês Terrace House), os diferentes pais e sobre o risco deles se separarem se alguém souber que estão sozinhos. Há algo também sobre a mãe não querer que eles vão à escola.

Seu protagonista é o mais velho, que começa parecendo que será a criança que irá amadurecer, mas conforme as coisas ficam mais tensas ele volta a ser uma criança. Há algo tráfico na história e isso deve ter sido o estopim desse filme, mas quando chegamos nessa parte já não nos interessamos mais por aqueles pequeninos.

Isso porque o filme não consegue nos dar uma personalidade para eles. São apenas crianças jogadas em uma casa. No começo com a mãe presente não parece haver nada demais, e quando elas ficam sozinhas por muito tempo o drama se constrói, mas a única coisa que se sustenta é a espera de mudança.

O cineasta Hirokazu Koreeda é famoso por filmes que nos inserem no cotidiano das famílias e que no processo nos faz descobrir que não existem famílias perfeitas, e isso visto do ponto de vista japonês é uma revolução e tanto. É dele filmes com temática humanista como Pais e Filhos, Assunto de Família, Depois da Vida e Depois da Tempestade. Aqui ele está inserido em um bom tema com desenvolvimento que carece de melhor tratamento.

Imagens e créditos no IMDB.
Ninguém Pode Saber ● Dare mo shiranai. Por Hirokazu Koreeda, com Yûya Yagira, Ayu Kitaura, Hiei Kimura. ● Nota: 3/5. Categoria: movies. Publicado em 2019-05-04. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?