O Abraço da Serpente

Feb 18, 2016

Imagens

Esse é um filme que deveria ser um documentário. Porém, já faz muito tempo que aconteceu; a primeira parte em 1900 e bolinha; a segunda parte na década de 40. No entanto, o que o diretor Ciro Guerra fez com os relatos de dois cientistas exploradores da selva amazônica fez é ainda melhor: recriou as histórias, as dramatizou, e as embolou em um universo de crenças, culturas, comportamentos…

Filmado em um preto e branco com saturação alta, os dias são pálidos, as noites são vívidas, e as águas dos rios sempre em movimento. Conta a história (quase) real de Theodor Koch-Grunberg e Richard Evans Schultes, cientistas que dedicaram sua vida ao estudo da floresta.

Boa parte é falada em língua indígena, mas o espanhol começa a aparecer como o idioma oficial. Os colombianos invadiram a região onde a história se passa, e índios estão sendo dizimados e torturados para extrair borracha, além de missões religiosas destroçam suas almas e doutrinam seus pequeninos.

O herói dessa história é Karamakate, o sobrevivente de uma tribo de guerreiros. Na primeira parte ainda o vemos em sua glória, nunca se curvando ao suspeito homem branco. Na segunda parte está velho, já não sabe o que desenha nas pedras, e não se lembra mais como preparar uma comida típica do seu povo. Sua memória está morrendo, e junto dele seu povo.

“O Abraço…” é um filme que busca chocar e ao mesmo tempo simbolizar a perda de povos indígenas, todos eles, para a invasão europeia. Discute a hereditariedade espiritual do homem, e discute muito mais sobre a essência do próprio homem do que sua divisão em tribos, povos, línguas. Há a velha discussão da ciência e da crença cega dos primitivos, além da destruição de uma cultura vista como atrasada. Porém, a história nos mostra exatamente o contrário: os índios estavam mais preparados do que nunca para a vida na floresta amazônica. Quando vem o homem branco, o mundo está virando de cabeça pra baixo.

Com um roteiro instigante que consegue unir dois possíveis documentários em um drama ficcional, O Abraço da Serpente cumpre seu papel, ou sua mensagem. Poderá ser revisto de tempos em tempos, como o registro de como a ambição desmedida pode destruir algo lindo. De como a ciência sem escrúpulos pode também destruir uma racionalidade ainda incompreendida.

Wanderley Caloni, 2016-02-18. O Abraço da Serpente. El abrazo de la serpiente (Colombia, 2015). Dirigido por Ciro Guerra. Escrito por Ciro Guerra, Theodor Koch-Grunberg, Richard Evans Schultes, Jacques Toulemonde Vidal. Com Nilbio Torres, Jan Bijvoet, Antonio Bolivar, Brionne Davis, Yauenkü Migue, Nicolás Cancino, Luigi Sciamanna. IMDB. Texto completo próximo ou após a estreia no CinemAqui.