O Espião Que Sabia Demais

Wanderley Caloni, January 17, 2012

Confuso, confuso, confuso.

Poucas vezes saí do cinema tão perdido quanto da sessão de “O Espião que Sabia Demais”. Ultimamente tenho tido alguns problemas de foco, que no caso foram extrapolados pelas conversinhas paralelas na sala. Porém, isso não justifica a total falta de compreensão da trama, uma vez que já participei de alguns “desafios intelectuais” como Donnie Darko, Prime e O Grande Truque e saí (quase) ileso. Nesse caso, faltou para mim, do começo ao fim, não só os detalhes, mas a essência de toda a história.

A sensação inicial é a de estar acumulando informações sobre três grupos: eventos, pessoas e lugares. Acredita-se que esses grupos irão se conectar em algum lugar da história, e confia-se nessa premissa para continuar assistindo (mesmo que abobalhado). Essa sensação vai aos poucos dando lugar a um completo descaso, uma vez que os três grupos apenas se acumulam, nunca nos dando a oportunidade de ligar as peças. O quebra-cabeças vai sendo jogado em nossas mentes de maneira completamente caótica, sem qualquer distinção de cor ou forma. Chega um momento em que não existe sequer a noção de qual imagem devemos esperar (se é que existe alguma).

Para quem começa e termina o filme tendo essa sensação o final não ajuda muito. O saldo, porém, é positivo. Sabemos que a narrativa é visualmente coesa, com planos que se ligam de maneira elegante e uma direção de arte competente que consegue, com a ajuda da fotografia sempre escura (mesmo em planos à luz do sol), reproduzir o que seria o fim de um jogo de troca de informações que por duas décadas manteve duas potências em regime de guerra não declarada.

É fato que existe algo a ser desvendado na estrutura narrativa do filme. Contudo, como bom cinéfilo, jogo humildemente a toalha e afirmo não ter a mínima ideia do que aconteceu.

Imagens e créditos no IMDB.
O Espião Que Sabia Demais ● O Espião Que Sabia Demais. Tinker Tailor Soldier Spy (France, 2011). Dirigido por Tomas Alfredson. Escrito por Bridget O'Connor, Peter Straughan, John le Carré. Com Mark Strong, John Hurt, Zoltán Mucsi, Péter Kálloy Molnár, Ilona Kassai, Imre Csuja, Gary Oldman, Toby Jones, David Dencik. ● Nota: 4/5. Categoria: movies. Publicado em 2012-01-17. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?