O Ornitólogo
Wanderley Caloni, 2017-03-22

Este é um filme hermético por natureza (trocadilho intencional). O diretor/roteirista João Pedro Rodrigues nos apresenta uma aventura que começa como uma “história normal”, de um estudiosos de aves que se aventura solitário em meio a uma natureza que o observa de volta. Essa natureza, aparentemente, não está exatamente solitária, mas faz parte de algo maior. Religiosamente maior. É um filme que mexe com (homo)sexualidade ao mesmo tempo que provoca e flerta com o sagrado, além de no caminho também fazer pouco da raça humana. É um filme que mexe até certo ponto com crueldade, mas para um fim maior. E é esse fim, no meio de tantos símbolos e mistérios, que é o grande segredo jamais revelado de maneira clara. Provavelmente não existe apenas uma resposta certa para esse mistério, assim como não existe apenas uma interpretação para o que vemos. Nunca enfadonho, graças à narrativa empenhada de Pedro Rodrigues, que pelo menos entretém, não necessariamente fazendo pensar, O Ornitólogo parece mais um exercício de narrativa, com muito pouco estilo, nenhuma trilha sonora e uma fotografia empenhada em não se perceber em meio a tanta beleza e poesia. Ainda assim, é um filme triste, pobre, que não parece conseguir unir seus pontos, mesmo que simbolicamente. Ele tem um terceiro ato cheio de fades que cansam cada vez mais. Fades em direção a um mar de dúvidas. Não espere conseguir desvendar algo de tudo isso, a não ser que tenha estudado religião a ponto de não ser mais um religioso.

Crítica completa na estreia do filme no CinemAqui.

★★★☆☆ O Ornitólogo. Portugal. 2016. Direção: João Pedro Rodrigues. Roteiro: João Pedro Rodrigues. Elenco: Paul Hamy (Fernando / António), Xelo Cagiao (Jesus / Tomé), João Pedro Rodrigues, Han Wen (Fei), Chan Suan (Ling), Juliane Elting (Caçadora Loira), Flora Bulcao (Caçadora 1), Isabelle Puntel (Caçadora 2), Alexandre Alverca. Edição: Raphaël Lefèvre. Fotografia: Rui Poças. Duração: 117. Aspecto: 2.35 : 1. Drama. #cabine