O Preço da Fama

Sep 24, 2015

Imagens

Um filme para homenagear Charles Chaplin. Isso ficou muito claro em O Preço da Fama, uma história criada em torno de um fato: dois imigrantes roubaram o caixão de Chaplin após ele falecer e planejaram pedir um resgate. Toda a história em volta é fantasiosa, mas com o pé na realidade, o que a deixa meio sem saber por onde ir. Tem dois personagens até que interessantes (como o criado por Benoît Poelvoorde, que também fez o excelente 3 Corações), uma ponta divertida de Peter Coyote e uma trilha sonora fascinante (Luzes da Cidade) repetida à exaustão.

A ideia toda é que pobres não possuem muitas opções – assim como os filmes de Chaplin – e cometer algum delito é uma das poucas maneiras de sair de uma posição difícil, mesmo que você more no melhor lugar do mundo: a Suíça. O fato é que Osman é um imigrante pobre que com sua família (esposa e filha) tenta sobreviver em uma humilde casa. Com uma dívida de gratidão para com Eddy, o vai buscar na cadeia após ele sair depois de sua última trapalhada, e entrega um trailer do seu lado. Eddy acaba virando da família conforme sua rotina se torna levar a filha de seu amigo para conhecer lugares que ela nunca foi.

Tendo um curso calmo com um ritmo pensado para gerar empatia no começo, O Preço da Fama nunca decola de fato, se mantendo no fogo morno de uma forma agradável, mas muitas vezes jogando seus personagens em situações feitas apenas para atender o desejo bobo da homenagem completa ao cineasta (como jogar uma cena de bailarina – Luzes de Ribalta). Nunca enfadonho, nunca empolgante. Um filme leve, doce e esquecível.

Wanderley Caloni, 2015-09-24. O Preço da Fama. La rançon de la gloire (France, 2014). Dirigido por Xavier Beauvois. Escrito por Xavier Beauvois, Etienne Comar, Marie-Julie Maille. Com Benoît Poelvoorde, Roschdy Zem, Séli Gmach, Chiara Mastroianni, Nadine Labaki, Peter Coyote, Xavier Maly, Arthur Beauvois, Jean-Daniel Bigler. IMDB. Texto completo próximo ou após a estreia no CinemAqui.