O Presente

Jan 6, 2013

Imagens

O filme baseado no livro homônimo de Jim Stovall — escritor cego engajado em trabalhos para deficientes — claramente tenta passar uma mensagem de caridade para com os mais necessitados. Para isso, contudo, se esquece de estabelecer uma relação afetiva com seus personagens e acaba resumindo uma sequência de eventos simbólicos que forçam a emoção do espectador pela situação em si, sem qualquer outra

A história gira em torno de Jason (Drew Fuller), um playboy irrelevante e sem personalidade que se vê diante de uma série de tarefas que deverá executar para receber a herança do seu recém-finado avô, um magnata do petróleo que construiu um império em torno do qual sua desprezível família cresceu. Acaba se encontrando acidentalmente com Emily Rose (Abigail Breslin), uma menina irritante pelos seus questionamentos autoritários e que sofre de leucemia (mais um motivo para chorarmos).

A participação de Abigail Breslin, aliás, é totalmente descartável e considero a maior inversão de expectativa do projeto: como pode a doce menina de Pequena Miss Sunshine se transformar em um ser tão irritante e continuar irritante mesmo que saibamos que ela possui pouco tempo de vida?

Porém, isso não importa. O roteiro de Cheryl McKay consegue estragar praticamente toda e qualquer surpresa que poderia surgir do testamento do avô de Jason ao utilizar situações batidas aliadas a diálogos incrivelmente pedestres, em uma tentativa desesperada de tornar as cenas mais impactantes. Quando Jason e sua namorada estão em um restaurante logo após sabermos que todos os bens do rapaz foram confiscados, é óbvio que ele não será capaz de pagar a conta. Mesmo assim McKay insiste e faz o garçom comentar que o casal não está aproveitando sua garrafa de vinho e que é uma “garrafa muito cara para seus clientes”.

Conseguindo aliar um roteiro previsível com situações improváveis, o diretor Michael O. Sajbel sequer consegue trazer coerência à passagem do tempo, pois até a barba do rapaz cresce de maneira inimaginável durante uma semana preso, nem se comparando à sua mudança em um mês como mendigo: nenhuma.

Ao transformar o avô de Jason em um vidente-defunto com o desfecho do seu testamento-vídeo, a lição de moral de Jim Stovall consegue ser ainda mais doutrinária, chegando a rivalizar com Um Conto de Natal, de Charles Dickens. Infelizmente estamos a milhas de distância do poder da mensagem de Dickens com o seu Ebenezer Scrooge.

Wanderley Caloni, 2013-01-06. O Presente. The Ultimate Gift (USA, 2006). Dirigido por Michael O. Sajbel. Escrito por Cheryl McKay, Jim Stovall. Com James Garner, Bill Cobbs, Lee Meriwether, George Lee, Brett Rice, D. David Morin, Abigail Breslin, Ali Hillis, Drew Fuller. IMDB.