O Reencontro

Jul 21, 2017

Imagens

O Reencontro é um filme doce sem perder as rédeas do seu tom irônico e um tanto amargurado. O filme projeta uma Paris pálida e tenta mesclar dois dramas pessoais em torno do reencontro com um passado traumático. Apresenta uma Catherine Deneuve que envelheceu bem e que mostra um timing cômico sutil e aproveitável neste longa do eventual diretor/roteirista Martin Provost, que acumula trabalhos de três em três anos. Mais autêntica é a protagonista, interpretada por Catherine Frot de maneira mais fiel que o próprio roteiro. Mas não sejamos maldosos com a história, que consegue soar na maior parte do tempo natural, e tira tanto seu humor quanto seu drama das situações que cria. Poucos filmes do sub-gênero “pessoa que sabe que vai morrer” conseguem se desvencilhar da maior parte das armadilhas, e este até em seu final utiliza-se de inspiração para evocar do passado sua conclusão poética. Tanto trilha sonora quanto direção se unem para tornar a experiência mais do que um apanhado de (bons) diálogos, como o momento em que Catherine faz um discurso sobre esquecer a cabeça e se entregar ao que o corpo deseja, sendo que ela mesma vive uma vida regrada e fica extremamente balada em seguida ao descobrir que seu filho e namorada estão grávidos. Há muitas pequenas surpresas como essas em O Reencontro. Basta entrar no ritmo e acompanhar essas duas velhas jovens se desventurando em uma ficção que imita a vida.

Wanderley Caloni, 2017-07-21. O Reencontro. Sage femme (France, 2017). Dirigido por Martin Provost. Escrito por Martin Provost. Com Catherine Deneuve (Béatrice Sobo dite Sobolevski), Catherine Frot (Claire Breton), Olivier Gourmet (Paul Baron), Quentin Dolmaire (Simon), Mylène Demongeot (Rolande), Pauline Etienne (Cécile Amado - une patiente), Pauline Parigot (Lucie), Marie Gili-Pierre (Evelyne), Audrey Dana (La chef de service hôpital moderne). IMDB. Texto completo próximo ou após a estreia no CinemAqui (Source).