Os Dez Mandamentos - O Filme

A novela da Rede Record – uma emissora comprada por umas das igrejas mais poderosas do Brasil – foi transformada em um longa-metragem – com dinheiro próprio, graças a Deus – que na verdade é um remake dos filmes originais de Cecil B. de Mille (os de 1923 e 1956). No entanto, as histórias são tão semelhantes ao relato bíblico que tudo no fundo não passa de uma literação do que foi registrado por aquela tribo judaica em uma época em que historiadores inventavam muito, e documentavam pouco.

O resultado é que, mesmo com cinematografia tosca, maquiagem horrível, atuações irritantes com diálogos sofríveis e efeitos visuais idem, Os Dez Mandamentos consegue em sua segunda metade criar o mesmo arco vivido por Charlton Heston em 56, graças a um drama épico que sobreviveu gerações, não à toa. Se nem mesmo a narração em off tosca que somos obrigados a ouvir conseguiu destruir esse filme, é porque sua história copiada possui um poder narrativo que até então parecia atribuído apenas à produção e direção de DeMille. É uma agradável surpresa, então, ver que até uma versão teatral e mal-feita ainda consegue, graças a um trabalho minimamente coeso e uma edição cuidadosa em retirar vários dos defeitos visuais rapidamente da tela, a proeza de se tornar um filme “assistível” e, em certos e pouquíssimos momentos, empolgante.

Pena que tudo se revela no fundo fruto de uma ambição desmedida em realizar a maior lavagem de cérebros já vista – um poder que o Cinema possui que não foi subestimado pelo Partido Comunista na Rússia – com a maior propaganda de marketing talvez já feita, incluindo a compra massiva de ingressos para a quebra do recorde de pré-vendas (para depois se revelar uma propaganda ridícula que exibia no noticiário salas com ingressos esgotados com quase nenhum público). Este definitivamente não é um filme produzido nos moldes tradicionais, mas um recorte da novela homônima. Porém, mesmo assim, o filme de sobressai com sua estrutura iconográfica dos momentos da história bíblica retratadas com pouca trama e muitas imagens simbólicas, e se nos esquecermos que deveriam haver personagens mais do que unidimensionais, e lembrarmos que, se formos buscar algo a mais em sua origem literária, pouco encontraremos, “Os Dez Mandamentos - O Filme” encontra salvação dentro de sua própria fonte de inspiração: um texto rústico e antiquíssimo sobre uma história fantástica feita para unir um povo sob um único governante: um deus “único e verdadeiro”.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2016-02-05 imdb