Os Embalos de Sábado à Noite

John Travolta nos apresenta Tony Manero, o rapaz pobre que trabalha em uma loja de tinta e vive com sua sempre esquentada família italiana. Tony é fã de Bruce Lee e, claro, Rocky Balboa e Al Pacino (que alguém diz que ele é parecido). Ele tem uma irmã mais jovem e um irmão mais velho, que para orgulho da família virou padre (sim, é uma família realmente italiana). Tony gosta mesmo é de preparar seu cabelo e sair pela noite com seus amigos. Eles vão à danceteria e é lá que ele mostra seu potencial como dançarino.

Dirigido por John Badham (Short Circuit, Jogos de Guerra), este é um retrato fiel à adolescência de nossos pais, e hoje continua sendo um retrato próximo do que se passa na cabeça de jovens coletivizados em gangues com nenhum pensamento sobre o futuro. E, como o chefe de Tony comenta, “você não fode o futuro; o futuro te fode”. Esse também é um filme recheado de ótimos diálogos (“sabe o que quatro dólares compra hoje em dia? nem três dólares”), e personagens que se constroem em uma aura realista quase-documental, roteirizado pelas melhores trilhas do grupo Bee Gees e por Norman Wexler, que transforma a história de Nik Cohn em algo palatável aos poucos, parecendo que não há muito conteúdo, mas há.

Travolta é um jovem fino que usa roupas da moda e possui um topete que é atingido pelo seu pai nos jantares de família. Na pista de dança ele protagoniza os melhores momentos de sua vida, e empolga as pessoas que o cercam. É visto como o mais talentoso do clube, e as mulheres se derretem por ele, especialmente Annette (Donna Pescow), que faria de tudo para deitar com ele no banco de trás do carro de um dos rapazes, que acaba engravidando uma garota e passa por uma crise existencial sem saber o que é isso.

Quando ele conhece a madura Stephanie (Karen Lynn Gorney), ambos começam a treinar para o próximo torneio. Suas conversas não combinam. Ela é a garota certinha que se gaba por conhecer pessoas famosas (mas não famosas para pessoas como Tony). Ele não consegue se comunicar, é um jovem descerebrado, mas nas suas atitudes transparece aos poucos uma personalidade doce e cativante, contra todas as estatísticas do que vemos na casa de sua família. Mas não me levem a mal: não há um bem contra o mal, aqui. Temos apenas uma mãe preocupada e um pai desempregado que apenas critica seu filho mais jovem. As coisas são como elas são.

Nos minutos finais, esses elementos inseridos de maneira perspicaz no roteiro de Wexler vira um turbilhão de acontecimentos tensos e angustiantes, que desencadeiam uma tragédia e sintetiza tudo o que vimos até agora. Manero é um rapaz sortudo, afinal de contas. Sabe dançar como ninguém, mas reconhece a realidade que o cerca. Nisso, pode-se dizer que ele é único em sua maneira.

★★★★★ Wanderley Caloni, 2015-12-11 imdb