Os Pássaros

Dec 20, 2011

Imagens

A cena que mais evidencia a tensão presente na casa da família Brenner após um ataque-relâmpago de pássaros ensandecidos é quando vemos a câmera foca a matriarca da família olhando para o teto, assustada. Então a câmera se afasta, e, no mesmo quadro, é possível ver que os outros dois adultos estão fazendo a mesma coisa. Ao final desse quadro tão emblemático, sabemos que o diretor conseguiu o total controle sobre nossa atenção e sentidos, que, naquele momento, teimam em se comportar irracionalmente e exatamente como aquelas pessoas.

Um dos últimos filmes de Hitchcock, já famoso, renomado e pondendo gastar bem em suas produções, Os Pássaros gira em torno de uma pequena cidade à beira da costa que começa a presenciar, aos poucos, um comportamento agressivo e atípico dos pássaros da região. Conforme a trama principal se desenvolve, que gira em torno de um casal que tenta firmar seu romance, mesmo que sob os olhares suspeitos da mãe super-protetora, aos poucos notamos pequenos eventos relacionados com com animais-título que aos poucos vão tomando conta da história.

A sessão que participei faz parte da Retrospectiva Completa da obra do diretor que acontece no CCBB de São Paulo de 15 de junho a 24 de julho. O Ewald Filho fez uma lista dos imperdíveis desse evento.

Esse é meu segundo filme. Comecei com um dos primeiros clássicos (O Homem que Sabia Demais, de 34) e, curiosamente, continuei com um dos últimos (se não o último, se desconsiderarmos Cortina Rasgada e lembrarmos que Trama Macraba, de 76, é considerado por muitos como um dos piores de sua carreira). Devo dizer que essa exposição está sendo admirável e me surpreendeu pela qualidade das exibições (ambas, por enquanto). Quando podem, os organizadores estão usando a película original. Na sessão de Os Pássaros, por exemplo, pode-se notar as cores pálidas usadas usadas para fotografar Bodega Bay (o vilarejo de Os Pássaros), em sintonia com o escuro do bando de gralhas se “acotovelando” em uma cerca e tornando a luz usada ainda mais tenebrosa.

Uma curiosidade final diz respeito às piadas. Assim como em O Homem que Sabia Demais, aqui existem os momentos cômicos habituais (como o bêbado anunciando diversas vezes o fim do mundo). Mais interessante, no entanto, é saber que em Hitchcock as piadas conseguem sempre seu intuito: nos deixar ainda mais tensos. Pois, ao mesmo tempo que fazem rir, não nos deixam esquecer da situação perigosa em que a população vive. Essa “situação”, vale notar, enquanto inicia na vida das pessoas como uma curiosidade, ou algo atípico, chega ao limite de dominar todas as suas ações, momento esse no qual todos discutem em um bar, que se torna o ápice de ação. Analogamente, é exatamente nesse momento que comicidade e tragicidade se juntam em um balé de nervos que apenas um diretor de talento consegue orquestrar.

Por fim, chega a ser inacreditável comentar que hoje, com toda a tecnologia disponível para criar as ameaças mais criativas possíveis, um bando de pássaros voando consegue ser mais assombroso que muitos Blockbusters por aí.

Wanderley Caloni, 2011-12-20. Os Pássaros. The Birds (USA, 1963). Dirigido por Alfred Hitchcock. Escrito por Daphne Du Maurier, Evan Hunter. Com Tippi Hedren, Suzanne Pleshette, Rod Taylor, Jessica Tandy, Veronica Cartwright, Ethel Griffies, Charles McGraw, Doreen Lang, Ruth McDevitt. IMDB.