Possessão

Houve um tempo em que os filmes de terror da década de 902000 quase sempre eram sinônimo de sustos fáceis e trilha sonora capenga e repetitiva. Exceto pelo fenômeno Bruxa de Blair e a “importação” dos terrores asiáticos, nada se fez de muito diferente na América que não lembrasse o clássico supremo de terror: O Exorcista. De fato, uma corrente não tão recente também despeja suas diversas adaptações de histórias — O Exorcismo de Emily Rose, O Último Exorcismo — muitas vezes inspiradas em “fatos”, mas que nunca conseguiram entender a capacidade do terror psicológico do trabalho de William Friedkin.

Já este Possessão digerido por Ole Bornedal e escrito pelos roteiristas de Presságio — e, não menos importante, produzido por Sam Raimi (Arraste-me Para o Inferno, Uma Noite Alucinante) — contém tudo em doses homeopáticas. Iniciando sua história através de um episódio tragicômico envolvendo uma caixa que emite sussurros em uma lingua estrangeira e sua antiga dona, a trilha sonora exagerada faz os fatos parecerem incidentalmente divertidos, embora não o sejam: o tom pálido de cores da fotografia denuncia a triste história que presenciaremos, mais uma vez “baseada em fatos reais”.

A nova dona da caixa é Em (Natasha Calls), que é filha de pais divorciados, o desligado e ausente Clyde (Jeffrey Dean Morgan) e a super-protetora Stephanie (Kyra Sedgwick). Ela também possui uma irmã, Hannah (Natasha Calis), que não parece desempenhar nenhum papel mais importante do que servir de contraponto para os sustos que (obviamente) não presenciamos com Em.

Cozinhando em forno brando, a criação de suspense sem o uso dos artifícios já batidos como aumento do volume do som ou o corte repentino merece algum crédito. No entanto, não é difícil perceber que tudo se trata de mais uma tentativa de evocar O Exorcismo em tons mais familiares. A família MacNeil não andava bem, e essa família está suportando um divórcio. Há inúmeras passagens que incluem uma rua noturna deserta e molhada (clichê em qualquer filme, mas em terror mais clichê ainda).

De qualquer forma, criando uma ou duas cenas marcantes, a conclusão possui ótimas sequências que se tornam mais aterrorizantes pelo artifício da urgência. Dessa forma, vemos seus personagens correndo de um canto a outro tentando de todas as maneiras evitar o mal que os assola. Uma linda metáfora de uma família que luta junto para superar um episódio que gostariam de evitar (o divórcio).

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2012-11-07. Possessão. The Possession (USA, 2012). Dirigido por Ole Bornedal. Escrito por Juliet Snowden, Stiles White, Leslie Gornstein. Com Jeffrey Dean Morgan, Kyra Sedgwick, Natasha Calis, Madison Davenport, Matisyahu, Grant Show, Rob LaBelle, Nana Gbewonyo, Anna Hagan. imdb