Se Beber, Não Entre no Jogo

Esse é mais um filme-paródia que usa a estrutura de Jogos Vorazes para misturar filmes como “Se Beber, Não Case”, TED e outros cuja “influência” reside apenas em fantasias de personagens de Johnny Depp e outros falando obviedades sobre quem não gostou dos filmes em que eles aparecem. Talvez Jogos Vorazes se torne um campeão disso porque muitas pessoas não gostaram da série, e também porque sua estrutura de jogo na selva já é batido, fácil de acompanhar e não exige muito esforço intelectual inserir piadinhas sem graça no meio de um roteiro que já existe.

Bobo, infantil e completamente descartável, a “aventura” dos rapazes é explicada por um aromatizador que “pode causar viagens distópicas”. Sim, é essa a explicação. E a volta deles consegue ser ainda mais descartável. No fundo, todos esperam um final feliz, sabem que ele vai acontecer, e ninguém se importa muito. Mortes acontecem para serem engraçadas, mas nem elas funcionam muito bem. Piadinhas grosseiras por todos os lados, e defeitos digitais recheando esse bolo sem sentido.

Se Beber, Não Entre no Jogo é um filme que foi feito para ganhar alguns trocados falando mal de outro filme, passeando pela sua história para tirar sarro dos personagens que ele acha bizarro. No meio do processo, vemos que ele é que se torna o bizarro, pois não consegue criar nada original, exceto um jogo criado por Hollywood para sacrificar tributos pela falta de criatividade. E essa é a piada mais metafísica de todo o filme, mais como um pedido de desculpas por assistirmos esse descabimento.

★☆☆☆☆ Wanderley Caloni, 2015-12-05. Se Beber, Não Entre no Jogo. The Hungover Games (USA, 2014). Dirigido por Josh Stolberg. Escrito por Kyle Barnett Anderson, Kyle Barnett Anderson, David Bernstein, David Bernstein, Jamie Kennedy. Com Ross Nathan, Sam Pancake, Ben Begley, Herbert Russell, John Livingston, Damien Bray, Tara Reid, Jamie Kennedy, Chanel Gaines. imdb