Se Eu Ficar

May 4, 2015

Imagens

Fale-me mais sobre clichês. Esse filme tem de montes e nenhum é usado direito. Há a narrativa em off de uma protagonista que faz questão de ser desinteressante (mas parece que o filme acha o fato dela tocar violoncelo cool o suficiente para ser uma personagem digna de ser seguida), mas que mesmo assim arrisca nos primeiros 10 segundos a se comparar com Beethoven. Há o romance entre um casal igualmente desinteressante, mas que o filme acha muito cool pelo fato do rapaz cantar em uma banda e juntos formarem dois “extremos” musicais. Por fim, ele acha a família da moça tão cool que até evita falar muito sobre eles, para quando todos morrerem não fazerem a mínima falta, por mais que a garota berre ao saber do seu irmão mais novo.

If I Stay é um filme feito para ser bonitinho e fazer as pessoas chorarem. Aparentemente as pessoas choram por qualquer bobagem. Basta contar que ela é bonita, tem um futuro pela frente, ele também, e que ela sofreu um acidente com sua família genérica, e pronto: tristeza constante instantânea. Infelizmente, uma rápida análise sobre esses personagens revela que eles são enfadonhos demais, e que o grande conflito do título não se sustenta, já que a decisão da moça, que está sempre andando como um fantasma pelo hospital, é se ela vai viver ou morrer, e não viver ao lado de um garoto.

Por incrível que pareça, apesar dela estar à beira da morte, um conflito que ocupa a maior parte do tempo é se ela seguiria sua carreira do outro lado do país ou ficaria com ele. Há umas seis horas de indecisão a respeito. É demais para o meu gosto.

Wanderley Caloni, 2015-05-04. Se Eu Ficar. If I Stay (USA, 2014). Dirigido por R.J. Cutler. Escrito por Shauna Cross, Gayle Forman. Com Chloë Grace Moretz, Mireille Enos, Jamie Blackley, Joshua Leonard, Liana Liberato, Stacy Keach, Gabrielle Rose, Jakob Davies, Ali Milner. IMDB.