Amor Ocasional

Wanderley Caloni, January 2, 2019

Essa série estilo comédia romântica da Netflix está ligeiramente acima da média, graças à performance adorável de Zita Hanrot como a vulnerável Elsa e também ao tratamento um pouco mais sério à história criada pela dupla Chris Lang e Noémie Saglio. Ela é francesa e é uma série, o que quer dizer que não termina. Mas seus personagens são suportáveis por talvez mais alguns episódios, embora no fundo tudo pudesse ser resolvido em um longa metragem.

Mas não é isso que o dinheiro deseja, e por isso temos um produto mais inchado e cheio de sub-dramas de seus outros personagens, todos envolvendo relacionamentos. O plot é mais que previsível e já foi feito algumas vezes: amigas contratam serviços profissionais de companhia (incluindo sexual) para ajudar uma amiga que foi traída pelo namorado e que sofre a pós-separação. Criando um roteiro que está de acordo com a personalidade da menina, o michê aos poucos obviamente se envolve demais com ela. Ambos são lindos, fazer o quê? Não é todo dia que te pagam para chavecar uma criatura tão adorável quanto Elsa.

Em cima disso há um casal onde uma gravidez e seus hormônios ameaçam um namoro, uma garota mais libera que tem sorte no amor, mas não tanto no trabalho, e mais alguns personagens que colorem uma Paris vista mais de dentro de apartamentos, bares e ruas. Acompanhar essas pessoas falando francês em suas situações nada originais é o que há nessa série. Não é ruim, tampouco é ótimo. Fica como entretenimento temporário; uma novela francesa de curta duração.

Imagens e créditos no IMDB.
Amor Ocasional ● Plan Coeur. França, 2018. Criado por Chris Lang e Noémie Saglio. Com Tom Dingler como Matthieu, Joséphine Drai como Emilie, Zita Hanrot como Elsa, Guillaume Labbé como Maxime, Yvan Naubron como Roman, Sabrina Ouazani como Charlotte, Marc Rucmann como Jules e Syrus Shahidi como Antoine. ● Nota: 3/5. Categoria: series. Publicado em 2019-01-02. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?