Necrópolis

Wanderley Caloni, April 22, 2019

Esta série é um bom exemplo de como fazer conteúdo engraçado sem pretensão alguma e um orçamento menor ainda que a pretensão e ficar bom. Bom, bom eu não diria. Ele fica exatamente como você esperaria que ficasse um vídeo com você e seus amigos em uma tarde preguiçosa e criativa.

Ela conta a história de um escritório do IML (Instituto Médico Legal) em que a última alternativa de médico residente foi o fracassado Richard (Rafael Pimenta), que estudou cinco anos para passar em uma faculdade particular de medicina e se formou e se envidou no processo, se tornando “doutor”. Você vê, a comédia já começa com tons de crítica social sobre o péssimo sistema de ensino nacional.

Usando o gore misturado com o descaso e um pouco de novela, Necrópolis em seu piloto demonstra não irrita o espectador com tantos zooms ritmados porque seus personagens são tão ridículos que a suspensão de ridículo fica no automático. Após os primeiros minutos não rimos mais da produção da série porque dá pena e começamos a rir das situações. Elas são criativas e dinâmicas. Algo bem brasileiro: criatividade demais, dinheiro de menos.

Imagens e créditos no IMDB.
Necrópolis ● Necrópolis. Brasil, 2019. Criado por Gabriel Faccini, Tomás Fleck, Tiago Rezende. Com Joana Kannenberg, Eduardo Mendonça, Rafael Pimenta. ● Nota: 3/5. Categoria: series. Publicado em 2019-04-22. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?