Special Correspondents

Ricky Gervais arrisca pouco, mas ganha. Special Correspondents tem a cara e o gosto do diretor/roteirista em suas inúmeras comédias (The Office, Derek, Life is Too Short), mas por se tratar de um longa-metragem, evita a batidíssima câmera na mão e tenta criar uma ficção de fato.

Claro, com as piadas, gags, situações e comentários sociais que ele está acostumado a fazer.

E não dá para dizer que o enquadramento do filme, nem sua fotografia, são um esmero de perfeição. Acostumado com takes estáticos, todas as cenas soam meio deslocadas, e pouco inspiradas. Mas é uma lição de casa bem feita.

A história é a mais clichê: um jornalista de rádio bonitão (Eric Bana) e um técnico de som feião (Gervais) vão ao Equador cobrir uma guerra civil. Ou iriam, se eles não perdessem seus passaportes e fossem obrigados a forjar notícias para não serem pegos. A esposa de Gervais é usada como link entre os dois personagens, e tudo gira em torno de tentar levemente fazer uma crítica ao falso jornalismo e às aparências.

Faltando peso dramático para tal, o ponto forte do longa acaba sendo, como sempre, o timing cômico de Gervais, que assume um papel itinerante que não exige muito de seus dons interpretativos.

Tudo mais constante, temos uma comédia de situação em Nova Iorque que, bem-humorada do começo ao fim, entretem, diverte pontualmente e serve para ser esquecida no minuto subsequente.

★★★☆☆ Wanderley Caloni, 2016-05-22 imdb