Terapia de Risco

Me impressionei pela atuação de Rooney Mara (a Lisbeth Salander de Os Homens que Não Amavam as Mulheres) e sua construção de um personagem frágil mesmo que insensível. Os problemas de depressão de Emily são tão óbvios em seus olhares abaixados, esguios, em sua fala mansa e cansada, que tudo isso parece convincente demais.

E é onde reside a genialidade de sua atuação e onde adentramos no segundo ato de um drama que se torna de uma cena para outra — talvez a transição que eu menos goste — em um thriller que é impossível de desgrudar os olhos. Como não vimos isso? Como não percebemos? O que é loucura e o que é malícia? Onde estão as bases de um profissional da psique para desvendar tantas camadas de nossa personalidade muitas vezes vil e desprezível?

Construindo sua narrativa entre sombras e um céu acinzentado com uma fotografia límpida e triste de Steven Soderbergh (que também assina direção), a fé no ser humano pode facilmente se dissipar conforme adentramos no drama do psiquiatra Jonathan Banks e na psique de Emily.

★★★★☆ Wanderley Caloni, 2013-12-24 imdb