Toc Toc

May 26, 2018

Imagens

Este é um filme de mau-gosto. Ele explora como comédia diferentes tipos de Transtornos Obsessivo-Compulsivos. E ele não é de mau-gosto por causa do Politicamente Incorreto, mas justamente por causa dele. Como ele é leve demais se torna uma afronta usar a doença dessas pessoas para criar um filme sem graça, com piadas soltas e que não possui sequer personagens reais.

Todos neste filme espanhol são estereótipos de criaturas que estão lotando os consultórios de psicólogos e terapeutas, afetados pela vida moderna. Mas são estereótipos fraquinhos, feitos para dar risadas esporádicas. Olhe para o senhor com Síndrome de Tourette, por exemplo, um transtorno em que a pessoa fala palavrões aleatoriamente sem controle. Aqui ele fala palavrões quase sempre a serviço do fraco roteiro de Vicente Villanueva.

Baseado na peça de Laurent Baffie, Villanueva escreve e dirige um pedaço de cotidiano jogando esses malucos em um consultório aguardando por um doutor que nunca chega. E eles fazem o que é mais provável, claro: começam a tentar curar suas maluquices por eles mesmos.

Para a diversão do didático filme há entre os malucos, tirando o que xinga sem querer, uma senhora que é fascinada por sinais religiosos e por conferir dezenas de vezes os registros de água, luz, se a janela está aberta, se as luzes estão apagadas, etc, antes de sair. Ela é interpretada com uma competência desperdiçada por Rossi de Palma, colaboradora frequente do diretor espanhol Pedro Almodóvar.

Também temos Blanca, cujo nome reflete sua obsessão por lavar as mãos e o medo incessante de micróbios. Para você ter uma ideia do nível dos estereótipos, ela trabalha em um laboratório. A atriz que a faz, Alexandra Jiménez, é famosa também, e começo a me perguntar o que tanta gente famosa faz em um filme desses.

O personagem mais irreverente é Otto, que nas mãos de Adrián Lastra faz um taxista com obsessão em contar coisas. Ele quase sempre nos distrai, junto dos personagens de Paco León e Ana Rujas, do verdadeiro marasmo que é este filme de 90 minutos.

Muitas pessoas devem gostar desse filme como gostam de uma comédia de stand up medíocre porque existem piadas no meio do caminho. As piadas são engraçadas, mas seus personagens não. O que nos leva ao seguinte dilema: aguentar todas essas pessoas presas em um consultório tentando conviver de uma maneira completamente irreal, ou ir assistir a uma comédia de standup, que é feita para isso? O Politicamente Correto traz umas crias às vezes que é difícil de assistir sem ficar com algum cacoete.

Wanderley Caloni, 2018-05-26. Toc Toc. Espanha, 2017. Peça escrita por Laurent Baffie, roteiro e direção de Vicente Villanueva. Com Paco León, Alexandra Jiménez, Rossy de Palma. IMDB.