Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível

Nov 23, 2015

Imagens

Um “A Corrente do Bem” atualizado a nível tecnológico, inserido em uma aventura onde pessoas voam, coisas voam e a NASA é uma expansão da Disney. Ou seria o contrário?

Tomorrowland só não é um filme Sessão da Tarde graças ao toque mágico de Brad Bird (Os Incríveis, Ratatouille), que consegue pegar uma aventura insossa como essa e torná-la em algo divertido, que parece conter mais do que o simplório roteiro que escreveu com Damon Lindelof (Guerra Mundial Z, Prometheus), onde o futuro da humanidade está ameaçado, mas ao mesmo tempo seus gênios criaram um lugar onde tudo é possível (em que tudo se resume basicamente em voar e flutuar em diferentes versões). Com a ajuda dos visionários (que antes seriam apenas nerds) Frank Walker (George Clooney) e Casey Newton (nossa, como eles são originais nos nomes dos personagens!), talvez ainda haja esperança.

Com uma direção de arte que brinca a todo o momento com a animação – e onde os robôs do mal possuem um sorriso a la universo Roger Rabbit ou Máscara – Tomorrowland prefere jogar sensações na frente do seu público e piadas bem humoradas enquanto tenta adiar para sempre sua trama principal. Como resultado temos uma ótima diversão com pouca reflexão. Bom, a não ser que você ache super-genial a velha cartilha do “estamos destruindo o mundo, precisamos dar-nos as mãos” atual, originário dos desavisados do movimento Ocupy Wall Street e que agora gera mais e mais movimentos “nonsense” em volta do globo (seriam eles a causa do fim dos tempos?).

Mesmo assim, boa parte do filme funciona graças à nossa curiosidade mórbida em busca de soluções para este mundo fantástico. Seria uma viagem no tempo? Mas isso não geraria paradoxos temporais? Ou seriam alienígenas infiltrados como em MIB? Talvez fosse uma mistura de tudo isso junto… e a maior parte do tempo todas essas divagações funcionam, com uma ajuda de um elenco de atores afiados.

Com atuações inspiradas de Clooney e da simpática e divertida Britt Robertson, além da mais que especial performance da robótica Raffey Cassidy, o filme consegue fazer-nos ficar metade interessados nessas pessoas e a outra metade curiosos pela história que os une. No meio de tudo isso, tentamos descobrir sobre o que diz esse mundo fantástico. Talvez a maior virtude do seu roteiro seja esconder isso ao máximo, revelando aos poucos que não se trata apenas de uma versão futurista de Orlando, mas de uma gigantesca campanha de product placement (pelo jeito a crise unicamente brasileira já anda diminuindo o número de turistas na Flórida).

Recheado de efeitos digitais que impressionam graças aos movimentos graciosos que Bird desempenha em toda a história, Tomorrowland pode até ser chamada de Sessão da Tarde, pois merece o título pela sua história nada original. Porém, pela sua realização, este filme está contido em uma dimensão apartada da nossa realidade mesquinha e cruel. Pena que o que temos para hoje se chama realidade.

Wanderley Caloni, 2015-11-23. Tomorrowland: Um Lugar Onde Nada é Impossível. Tomorrowland (USA, 2015). Dirigido por Brad Bird. Escrito por Damon Lindelof, Brad Bird, Damon Lindelof, Brad Bird, Jeff Jensen. Com George Clooney, Hugh Laurie, Britt Robertson, Raffey Cassidy, Tim McGraw, Kathryn Hahn, Keegan-Michael Key, Chris Bauer, Thomas Robinson. IMDB.