Xingu

Wanderley Caloni, April 20, 2012

É um sintoma relevante do Cinema no Brasil que os temas mais polêmicos — salvo jovens clássicos como Cidade de Deus e Tropa de Elite — sofram uma obliteração criativa. Xingu, novo trabalho de Cao Hamburguer na direção (O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias), com produção de Fernando Meirelles (que dispensa apresentações), não consegue fugir desse estigma completamente, embora tenha seus bons momentos.

Baseado nas experiências que três irmãos passaram durante uma expedição de reconhecimento de áreas inabitadas no Brasil o filme busca traçar uma relação entre os históricos Villas-Bôas e suas versões fictícias. Com narração em off de um dos irmãos o filme segue um rumo didático e burocrático, salvo os empolgantes momentos de ação ampliados pela ótima trilha sonora. Os pensamentos narrativos depois de um certo momento nem mais importam, pois o impacto gerado pelo encontro entre os índios e a nossa civilização dispensa palavras (em que língua deveriam elas ser ditas?).

Porém, em troca dos ótimos momentos silenciosos entre dois povos no meio da mata virgem há uma mensagem idealizada/romantizada a respeito da situação dos ingênuos e incapacitados índios após a chegada dos brancos maldosos e gananciosos que simplesmente fica difícil de engolir. Podemos sentir esse ponto de vista unilateral não apenas nos representantes do governo central estereotipados mas também na fotografia granulada que nos remete para uma realidade utópica e distante. Se não é o bastante, a própria visão desgarrada do mundo real de Cláudio Villas-Bôas é destruída por ele próprio e seus impensados atos.

Imagens e créditos no IMDB.
Xingu ● Xingu. Xingu (Brazil, 2012). Dirigido por Cao Hamburger. Escrito por Elena Soarez, Cao Hamburger, Anna Muylaert. Com João Miguel, Felipe Camargo, Caio Blat, Maiarim Kaiabi, Awakari Tumã Kaiabi, Adana Kambeba, Tapaié Waurá, Totomai Yawalapiti, Maria Flor. ● Nota: 3/5. Categoria: movies. Publicado em 2012-04-20. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?