XXY

Wanderley Caloni, January 24, 2012

Mais um filme com tema sexual polêmico (como o recente, leve e em cartaz Tomboy), mas que nesse caso, assim como o Minhas Mães e Meu Pai, se recusa a apresentar uma história que utilize seus personagens e seus conflitos de forma coerente ou pelo menos interessante. Não, a única coisa que faz é sempre focar na condição de Alex, um garoto que nasceu com ambos os genes — o masculino e o feminino —, o que faz com que, entre outras coisas, ele/ela tenha ambos os órgãos sexuais. Uma aberração, certo? Errado. Alex é um ser humano qualquer, ou melhor dizendo, um adolescente qualquer, mas independente disso o filme tenta de todas as formas apresentar o conflito físico do personagem como sendo o único evento digno de nota, a única coisa na história que valha a pena ser contada.

Dessa forma, até mesmo Alex fica em segundo plano, parecendo tão unidimensional quanto o rótulo que o filme lhe dá, de um caso “complicado”. Bom, isso todos sabemos. O que não sabemos é a forma com que essa condição é tratada em família e amigos, coisa que a própria história fica muito aquém, mais uma vez se contendo aos estereótipos e a piadinhas sexistas que além de não engrandecer o tema, o simplifica (“ufa, pensei que meu filho fosse viado”).

Imagens e créditos no IMDB.
XXY ● XXY. XXY (Argentina, 2007). Dirigido por Lucía Puenzo. Escrito por Lucía Puenzo, Sergio Bizzio. Com Ricardo Darín, Valeria Bertuccelli, Germán Palacios, Carolina Pelleritti, Martín Piroyansky, Inés Efron, Guillermo Angelelli, César Troncoso, Jean Pierre Reguerraz. ● Nota: 2/5. Categoria: movies. Publicado em 2012-01-24. Texto escrito por Wanderley Caloni.


Quer comentar?